Desporto Urbano

Vila Nova de Santo André é uma cidade muito recente com aproximadamente 40 anos de existencia, o que implica apartida uma irreverencia propria de uma curta historia. Com uma elavada população jovem torna-se a cidade indicada para a pratica de desportos urbanos, particularmente o skate.

 

Devido a uma arquitectura moderna, Santo André, tem um pavimento uniforme ideal para a “skatar”, já que não há calçada. Então em meados dos anos 80 apareceram as primeiras rampas (half-pipe), em determinados bairros. Com uma evolução gradual e sempre ascendente, a entrada no novo milenio foi de facto o começo de um bom e saudoso percurso.

 

Com uma presença mais efectiva no circuito nacional, os skateres começaram a obter bons resultados e a deixar a imagem de um skate de rua, que se consegue depois destacar num skate park. Neste momento S.André tem 5 titulos nacionais de skate em varias categorias, entre os quais dois titulos de campeão na categoria profissional conquistados por Ruben Gamito, muitos atletas são tambem reconhecidos e estimulados com a atribuição de patrocinios pelas marcas do ramo. Preve-se portanto um futuro risonho para um alentejo que precisa deste movimento.

 

                                                                                       Rubem Gamito Melon Grab


Entre a suavidade do campo e o encanto do mar

As cores e os aromas que compõem o Alentejo Litoral fazem desta região um paraíso a descobrir. Com importantes  reservas e parques naturais, que preservam toda uma terra virgem, onde se poderá disfrutrar de todas as paisagens que caracterizam a região. Cegonhas, garças, aves de rapina, golfinhos, entre outras espécies, acrescem às inúmeras razões para conhecer os segredos do Alentejo Litoral.
Entre campos de cereais e pousios, estende-se uma diversidade de fauna e flora inegualável. Os extensos areais de fina areia e os circuitos ambientais que o iniciam no mundo da observação de aves que são verdadeiros prodígios da natureza.
Este é um Alentejo recortado por falésias que se sobrepõem no horizonte, banhadas por um mar nem sempre calmo, mas eternamente belo e misterioso, de um azul forte, rendilhado de espuma branca e vigiado do alto por bandos de gaivotas.


Entre pinhais e salinas, praias e arrozais,os passeios que apelam a todos os sentidos no rio Sado. Tempo ainda para confirmar a elegância dos flamingos, especie que adoptou todo o litoral como sitio de passagem. Os golfinhos do estuário do sado, que nos dias que correm são uma raridade, mas continuam ocasionalmente a presenciar-nos com as suas visitas.

Tudo isto faz de um alentejo que se erguer diante de mar, num local paradisíaco, onde se passam bons e agradáveis momentos. Só para quem dá valor ao que a vida tem de melhor.


Escola Tecnológica do Litoral Alentejano (ETLA)

 

 

A Escola Tecnológica do Litoral Alentejano (ETLA) foi criada em 1990 através de um Contrato-Programa celebrado entre as três empresas do grupo NESTE CHEMICALS e o Ministério da Educação – GETAP (Gabinete da Educação Técnica Artística e Profissional).

A Escola iniciou a sua actividade no ano lectivo 1990/91, com os seguintes cursos: 

  • Electrónica e Instrumentação Industrial
  • Informática de Gestão
  • Química Tecnológica – vertentes de Análises Laboratoriais e Química Industrial

No ano lectivo de 2000/01, e dada a procura de técnicos qualificados nessa área, cada vez mais importante na realidade industrial actual, a escola abriu um novo curso:

  • Mecatrónica

Em 2006/2007 foi criado mais um curso numa outra área onde a preocupação e as obrigações legais das empresas são crescentes:

  • Higiene e Segurança do Trabalho e Ambiente

 

Para além destes, oferece também Cursos de Especialização Tecnológica (CET), de nível IV (pós-secundários), em parceria com os Institutos Politécnicos de Beja e de Setúbal, bem como Unidades de Formação de Curta Duração, certificadas, financiadas pelo Fundo Social Europeu.

A ETLA pretende rigor no cumprimento das exigências do ensino profissional, sendo possível, nesta Escola o contacto diário dos alunos com as realidades do mundo do trabalho, através de visitas de estudo, de observação dentro do perímetro industrial das empresas promotoras, ou ainda, exercendo essas actividades noutras fábricas e laboratórios com reconhecida qualidade.

No final dos cursos de nível III e de nível IV, os alunos têm actividades de Formação em Contexto de Trabalho e estágios, sobretudo nas empresas da área com as quais a Escola tem protocolos de cooperação.

O País necessita, sem dúvida, de mais qualificações, mas necessita também de mais Qualidade na Formação.